Título Editada

E quando a ansiedade surge “do nada”? Saiba por que isso acontece e o que você deve fazer

É sábado à noite e você está em casa, sentado(a) no sofá, assistindo um desenho animado com seu filho.

Uma situação tranquila. Nada de ameaças ou perigos.

Porém, sem motivo aparente, você começa a sentir palpitações, suas mãos começam a suar e ficam trêmulas, sua visão fica embaçada. Típicas sensações físicas provocadas pela ansiedade.

Você então começa a se perguntar o que há de errado, já que não existem razões para o que está ocorrendo.

Porém, existem sim.

Os sintomas de ansiedade podem ser produzidos de diferentes formas, não apenas em virtude de situações que envolvem perigo aparente.

Neste artigo, trago quatro explicações para esta ansiedade que parece ter vida própria e surgir “do nada”, como uma visita inesperada de final de semana.

No caso da visita, digamos que ela chegue para jantar e você não esteja preparado (a), é possível que você telefone para uma tele-entrega, vá ao supermercado ou simplesmente a convide para jantar fora. E no caso da ansiedade? O que você faz?

Antes de iniciar as explicações, faço uma ressalva: para que se possa pensar na hipótese de se tratar de sintomas de ansiedade, é preciso que causas físicas tenham sido descartadas inicialmente. Portanto, a realização de exames médicos é fundamental!

Caso não exista nenhum problema físico, consideraremos a possibilidade de você estar com sintomas de ansiedade.

Então, vamos às quatro explicações!

Explicação 1

# Explicação 1: Você está passando por uma fase de estresse em sua vida.

Aqui, estou me referindo a qualquer situação que para você esteja causando estresse.

Independentemente de as outras pessoas lhe dizerem: “Ah, mas isso não é nada, não dê bola, vai passar!”, aquilo está ultrapassando a sua capacidade de enfrentamento, portanto, está lhe causando estresse.

Ou seja, a situação pode ser desde um acúmulo de trabalho que esteja tirando seu sono, até o seu pé machucado que o esteja impedindo de realizar seus exercícios físicos prediletos.

A questão é que quando você está enfrentando um momento de estresse, seu corpo produz maior quantidade de algumas substâncias químicas, como por exemplo, a adrenalina.

Pois bem… Assim como uma visita inconveniente que não se flagra sobre a hora de ir embora, estas substâncias levam algum tempo para serem destruídas no organismo.

Assim, mesmo que você não esteja mais exposto (a) diretamente à situação estressante, você ainda pode se sentir alerta e apreensivo (a), pois a adrenalina ainda está “vagando” pelo seu corpo, produzindo sintomas de ansiedade.

O que fazer?

Apenas espere!

Após um tempo, seu corpo vai se cansar deste estado de alerta e naturalmente ativará o sistema nervoso parassimpático, responsável por fazer com que o organismo volte ao seu estado natural, relaxando-o.

Portanto, não lute contra estas sensações, mas sim, entenda que elas diminuirão com o passar do tempo.

Explicação 2

# Explicação 2: Você desenvolveu o hábito de respirar rápido.

Se você é como a maioria das pessoas que, preocupadas com suas responsabilidades ligadas ao conforto e à sobrevivência, se obriga a estar alerta durante boa parte do dia, é possível que você tenha aprendido a respirar rápido.

Sem perceber, você está ocasionando o que se chama de hiperventilação: um ritmo respiratório acelerado e superficial que produz variações na quantidade de oxigênio em certas partes do corpo.

Esta forma de respirar pode ser ocasionada por fatores não tão conscientes, como pensamentos, emoções, estresse e cansaço.

Você pode estar se perguntando: mas como eu nunca percebi que faço isso?

A hiperventilação não é fácil de ser percebida pela pessoa que a realiza, pois é muito sutil. Não é algo que se identifica a quilômetros de distância. Muitas vezes, apenas com muito treino é possível perceber.

Porém, a variação nas taxas de oxigênio ocasionada por ela pode produzir uma variedade de sintomas tais como:

  • tonteira;
  • sensação de vazio na cabeça;
  • falta de ar;
  • aumento dos batimentos cardíacos;
  • mãos frias e suadas;
  • dormências e formigamentos nas extremidades.

E veja só: estes sintomas são similares aos sentidos por uma pessoa que está diante de uma situação de perigo!

O que fazer?

 Existem dois pontos importantes aqui:

1) Fique tranquilo, pois a hiperventilação em si não oferece risco.

Ela apenas faz parte de uma reação de luta e fuga e sua função é de proteger seu corpo de qualquer perigo.

2) Comece a mudar seus hábitos respiratórios. Como?

Sugiro que experimente a seguinte técnica:

  • Respire de forma tranquila, inspirando pelo nariz e contando até três; prenda um pouco a respiração e solte o ar de forma longa e suave pela boca, contando até seis;
  • Ao inspirar, faça o ar chegar até o abdômen, estufando-o como se estivesse enchendo um balão. Ao expirar, encolha o abdômen como se esvaziasse o balão;
  • Repita todo o ciclo durante dois a três minutos e observe as mudanças em seu corpo.

Quanto mais você praticar, mais benefícios sentirá!

Explicação 3

# Explicação 3: Você está mais sensível aos sintomas de ansiedade.

Aqui, a questão é a seguinte: digamos que um dia você tenha subido no alto de um prédio e manifestado sintomas como taquicardia, tremores, sudorese e falta de ar.

Até aí, tudo certo. Porém, ao invés de reagir naturalmente e esperar os sintomas diminuírem, você se assustou e os sintomas se intensificaram.

É possível que neste momento tenha ocorrido o que se chama de condicionamento interoceptivo: sintomas físicos que até então eram naturais para você ficaram associados àquela ansiedade elevada e se tornaram sinais de ameaça para você.

Com isso, você se torna (involuntariamente) cada vez mais atento a estes sintomas físicos.

Cada vez que eles voltam a aparecer, é como se soasse uma sirene dentro de você, acompanhada de uma luz piscante e um som bem alto de alguém gritando: p-e-r-i-g-o!

Porém, a grande questão é que estes sintomas podem surgir em seu dia a dia diante de atividades rotineiras, como correr, caminhar mais rápido ou fazer movimentos bruscos.

Pronto! Cenário preparado para que simples alterações no organismo se transformem em sinais de alerta e disparem sintomas de ansiedade.

Percebe como sua mente transformou algo inofensivo em algo perigoso?

O que fazer?

Quando seu corpo começar a manifestar sintomas que o façam acionar alertas de perigo, pare e apenas observe.

Você não precisa saber por que os sintomas começaram.

Você apenas precisa se conscientizar de que eles são reações naturais de seu organismo e não causam nenhum dano.

Ao compreender que estas sensações físicas não são perigosas, o medo tende a desaparecer e os incômodos ataques de ansiedade aguda não farão mais parte de sua rotina.

Explicação 4

# Explicação 4: Seu corpo está passando por mudanças naturais.

Aqui, entra um último ponto. Simples. Porém, nem sempre fácil de aceitar.

Parece que vivemos em uma era em que tudo deve estar sempre perfeito, funcionando da melhor forma e, se não for assim, deve haver algo errado.

Calma! Seu corpo está longe de ser um objeto que se mantém intacto diante de influências internas e externas.

Assim, existem momentos em que você pode experimentar mudanças naturais em seu corpo, como aquelas causadas por variações hormonais ou por algum tipo de alimentação.

Um exemplo disso ocorre quando você ingere café, alguns tipos de chás ou refrigerantes à base de cola, que por conterem cafeína, podem acelerar os batimentos cardíacos.

O que fazer?

Aceite estas manifestações corporais como um processo natural. Desista de ficar constantemente se monitorando.

A partir do momento em que você começa a permitir que seu organismo manifeste estas sensações sem interpretá-las como sinal de perigo, elas naturalmente diminuem sua intensidade.

Resumindo

Resumindo…

Não é preciso existir um motivo explícito ou uma situação de perigo para ativar as sensações de ansiedade.

A boa notícia é que assim como ela surge “do nada”, ela também poderá ir embora “do nada” se você não transformá-la em catástrofe.

Então, se sua ansiedade começar a surgir sem que você encontre uma explicação, lembre-se de que pode estar ocorrendo uma das seguintes situações:

  • Você está passando por uma fase de estresse em sua vida;
  • Você desenvolveu o hábito de respirar rápido;
  • Você está mais sensível aos sintomas de ansiedade;
  • Seu corpo está passando por mudanças naturais.

Estas quatro explicações apresentam um ponto em comum que é sempre importante de ser ressaltado: quanto mais você compreender como a ansiedade funciona em seu organismo, mais poderá se libertar de sua tirania.

Natália Rigatti

Psicóloga (CRP 07/20324), apaixonada por esportes e alimentação saudável, praticante de corrida de rua e defensora da busca pelo bem-estar e qualidade de vida das pessoas. Em 2012 iniciou o trabalho na Clínica com psicoterapia individual, e em 2013 tornou-se Especialista em Psicoterapia Cognitivo-Comportamental.

Este artigo tem 46 comentários

  1. Alisson Jázer

    Psicóloga Natália, dos diversos artigos que li sobre ansiedade, o seu foi o mais esclarecedor. Adorei! Já senti isso tudo na pele e todos os dias luto contra os sintomas, sem medicamentos. É sempre bom ler e buscar informação. Obrigado pelo texto!

    1. Natália Rigatti

      Alisson, fico bem feliz em poder esclarecer algumas questões. Muito obrigada pelo comentário! Um abraço!

    2. Aline

      Melhor coisa conseguir diariamente enfrentar esses sintomas chatinhos (que sempre tem algum motivo por trás) SEM REMÉDIOS!! :)

      1. Natália Rigatti

        Olá, Aline! Com certeza, aprender a lidar com os sintomas proporciona uma melhora muito mais duradoura. É claro que em alguns casos, é preciso fazer uso de medicação, mas em muitos não é necessário. Muito obrigada pela sua contribuição!

    3. Erika

      Verdade. Um dos melhores textos que já li

      1. Natália Rigatti

        :) Que bom que gostou, Erika! Muito obrigada pelo seu comentário aqui no site. Um abraço!

  2. Elisama

    Realmente, eu tenho que concordar com o alisson, esse artigo é um dos melhores que li. Eu desconfio de 3 dessas opções. Talvez seja a de respirar errado ou tbm pq eu fico assustada quando sinto as sensações, elas parecem ser tão reais que eu acho que tem algo errado no meu corpo. As sensações me assustam…é real pra mim e ainda que uma parte de mim acredite que é por causa da ansiedade que sinto essas coisas, sempre fica aquela dúvida, aquele, mas e se for? Como uma sombra.
    Dra. Eu sinto uma certa ansiedade/agitação quando eu fico empolgada com algo. Como posso controlar isso?
    E ás vezes percebo que meus pensamentos estão num ritmo frenético, mão consigo evitar…como posso ludar com isso?
    Muito obrigada! Seu site etá me ajudando mto

    1. Natália Rigatti

      Bom dia, Elis! Em primeiro lugar, muito obrigada pela contribuição aqui no site! Em segundo lugar, respondendo aos seus questionamentos, quando você fica “empolgada” com algo, é natural que se sinta um pouco mais agitada. Isso se tornará um problema apenas se esta agitação se tornar muito intensa, a ponto de lhe trazer prejuízos ao dia a dia. Porém, de qualquer forma, para avaliar esta questão de forma adequada, assim como o que você relata sobre seus pesamentos, sugiro uma avaliação profissional, visto que existe uma infinidade de fatores que podem interferir na forma como está se sentindo. Você já buscou algum profissional especializado (Psicólogo ou Psiquiatra) para investigar estas questões? Fico muito feliz que o site esteja lhe ajudando! :) Um grande abraço!

  3. Rafael

    Bom dia Doutora! Parabéns pelo artigo, um dos melhores que já li, bem objetivo e esclarecedor. Já tive vários sintomas descritos pela maioria, e sempre fiz exames e graças a Deus nunca deu nada. Quando eu aprendo a lidar com um sintoma e esquecê-lo, a mente começa a desencadear outro (s), querendo sempre colocar uma dúvida ou preocupação de perigo. Faço tratamento, e estou sempre em busca para enfrentar estas crises de ansiedade.
    Muito obrigado e parabéns pelo trabalho!

    1. Natália Rigatti

      Olá, Rafael! Fico muito feliz em poder ajudar, e te agradeço pelo retorno tão positivo! Que bom que estás fazendo tratamento, este realmente é o caminho mais eficaz para lidar com a ansiedade. As mudanças acontecem de forma gradual, o importante é reconhecer cada pequena conquista! Muito obrigada pelo carinho! Um abraço!

      1. Rafael

        Obrigado pelo retorno!!! Um abraço!!!

        1. Natália Rigatti

          Imagina! Qualquer dúvida, estou à disposição! Um abraço!

  4. Leandro leal

    Tenho sentindo muita ansiedade depois de uma infecção estomacal que demorou um pouco a curar…. Eu ficava pensando assim Tenho que ficar bom, tenho que ficar bom……………. E a medica diagnosticou crise de ansiedade com isso veio as tonturas e tremedeiras obrigado pelos esclarecimentos

    1. Natália Rigatti

      Olá, Leandro! Muito obrigada pela contribuição, fico feliz em poder esclarecer estas questões! Estás fazendo algum tipo de tratamento?

  5. Paulo

    Parabéns Dra! Sofro uma ansiedade que não sabia explicar a origem até ler sua explicação. E olha que já examinei um sem número de publicações a respeito!
    Os primeiros episódios me levavam sempre a um pronto socorro até eu descobrir que se tratava de ansiedade.
    Mas ainda assim os sintomas aparecem “sem causa” e me deixam muito confuso.
    Mais cruel para mim hoje é enfrentar uma insônia horrivel que já dura três anos e meio. Gostaria de lhe perguntar por que os sintomas persistem mesmo seguindo as orientações no combate a ansiedade.
    Mais uma vez parabéns por sua publicação, muito esclarecedor.

    1. Natália Rigatti

      Boa tarde, Paulo! Que bom poder auxiliá-lo a compreender melhor a sua ansiedade! Então, a melhora dos sintomas acontece de forma gradual, a partir de pequenas mudanças realizadas todos os dias. Além de tratamentos com profissionais especializados, algumas mudanças no estilo de vida são necessárias para auxiliar na melhora, como o hábito de alimentar-se de forma saudável e a prática de exercícios físicos, por exemplo. Tu estás realizando algum tipo de tratamento para a insônia? Muito obrigada pelo carinho e pela contribuição!

  6. Raimunda lucia

    Realmente Drª Natália esse foi uma das melhores explicações quê já ouvi sobre essa infelicidade chamada ansiedade. Sofro há 2 anos uso medicamentos e não consigo me livrar desse mal.gostaria de saber de algumas técnicas para me livrar dosremedios.uso bromazepa 3mlg.me ajude.obrigada

    1. Natália Rigatti

      Bom dia, Raimunda! Muito obrigada por expor sua dúvida! A retirada da medicação é um processo muito individualizado, pois depende de diversos fatores de ordem biológica, emocional, contextual, entre outros. Portanto, isso precisa ser avaliado com muito cuidado por um profissional especializado, que poderá fornecer as orientações específicas ao seu caso. Você já realizou psicoterapia? Um grande abraço e fico feliz por ter gostado do texto! Obs.: Se ainda não tiver lido, sugiro que leia os outros artigos, eles também poderão ajudá-la! :)

  7. joao paulo gomez

    Rpz que esclarecimento perfeito
    Me sentir curado
    Parabéns Dra

    1. Natália Rigatti

      Olá, João Paulo! Nossa, que coisa boa poder ajudar assim… Agradeço imensamente pelo seu comentário. Um abraço!

  8. Juliana

    Texto muito bom. Só quem passa por isso sabe como é. Parabens!

    1. Natália Rigatti

      Obrigada, Juliana! Que bom que gostou… Te agradeço pelo comentário! :) Um grande abraço!

  9. Davila

    Boa tarde Natalia.. Amei o seu texto!
    Estou fazendo acompanhamento psicológico ja tem um mês e meio e sinto melhoras.. Para auxiliar na terapia , estou fazendo acupuntura , onde me sinto bem melhor , o que vc acha desse tratamento? Sim.. Alguns sintomas insistem em aparecer ainda , o melhor é que estou aprendendo a lidar com esses sintomas , sinto que quando acostumo com um sintoma , um novo aparece , é normal?

    1. Natália Rigatti

      Bom dia, Morgana! Que bom saber que gostou do texto! Acho excelente o fato de procurar terapias alternativas juntamente com o acompanhamento psicológico, pois a ansiedade é multifatorial e quanto mais abrangente for o tratamento, melhor. Lembrando que o processo de melhora inclui também cuidados com a alimentação, a prática de exercícios físicos, higiene do sono, e tudo que possa contribuir para o seu bem-estar e qualidade de vida. Quanto aos sintomas, eles não irão desaparecer por completo, até porque a cada dia surgem novos acontecimentos na vida e alguns elevam um pouco mais a ansiedade. O importante não é evitar o surgimento de novos sintomas, mas estar aberta e pronta para lidar com aqueles que aparecem. Muito obrigada pela sua contribuição aqui no site, e se houver mais dúvidas, pergunte! :) Um abraço!

  10. Maria

    Ola.. Muito esclarecer seu texto.. Deu ate um alivio so de ler.. Rsrs
    pois bem.. Faço terapia com uma psicóloga e sinto que ja consigo controlar alguns sintomas , gostaria de saber se é possível curar a ansiedade 100% ou se sempre vou ta sentindo alguns desses sintomas?
    Beijos Natalia!

    1. Natália Rigatti

      Olá, Maria! Ótimo, a psicoterapia é um dos tratamentos indicados para obter resultados mais duradouros no manejo dos sintomas. Não falamos em “cura”, pois a ansiedade é um sentimento que todos possuem e inclusive é muito importante para a nossa proteção. No tratamento, você aprende a lidar com os sintomas de forma mais saudável, reduzindo os prejuízos que a ansiedade (em níveis elevados) pode lhe trazer. O melhor caminho é aceitar que a ansiedade continuará fazendo parte da sua vida, mas você não precisará ficar fugindo dela ou tratando-a como uma inimiga. Muito obrigada pela sua contribuição! Beijos!

  11. Andreza

    Boa tarde Dra. Adorei o site, parabéns!
    Faço terapia vai fazer dois meses , corro o risco de ter novas crises de ansiedade? Sinto sintomas diariamente, mas consigo conter. Agradeço se puder me responder. Beijos, fica com Deus!

    1. Natália Rigatti

      Bom dia, Andreza! Que bom que gostou, muito obrigada! A ansiedade pode se apresentar de várias formas e em intensidades muito diferentes para cada pessoa. Apenas o profissional que está avaliando e atendendo o caso consegue ter uma visão mais clara sobre isso. Além disso, a psicoterapia é um processo que demanda tempo e dedicação. Os dois meses iniciais costumam ser o período em que a sua situação está sendo avaliada pelo profissional, portanto, o tratamento ainda está bem no começo. Ainda há bastante caminho a percorrer. Em relação às crises, não temos como prever o surgimento de novos episódios, mas quanto mais você aprender a aceitar e manejar os sintomas, obtendo um conhecimento aprofundado sobre o funcionamento da ansiedade em seu corpo e mente, maior a chance de prevenir o surgimento de novas crises. Você está no caminho certo! Continue com a sua terapia e busque praticar exercícios físicos e cuidar da sua alimentação e do seu sono, pois o uso de estratégias para a melhoria da sua qualidade de vida ajuda (muito!) a lidar com a ansiedade de forma saudável. Muito obrigada por expor sua dúvida, ela poderá auxiliar muitas outras pessoas! Um beijo!

  12. Monique

    Dra. Boa noite!
    Adorei ler as suas palavras , muito esclarecedoras.
    Mas me tira uma dúvida: estou fazendo terapia pouco mais de um mes. passei algumas semanas bem , bem mesmo , estava super feliz pq achava que ja estava curada, kkkkk , mas a uma semana os sintomas voltaram e aos poucos e estou aprendendo a lidar com eles , hoje o meu estômago voltou a doer novamente, o que eu faço?
    Ahh, e mais uma per fininha: vc acha q quem começa a terapia bem no início das crises de ansiedade , tem chances de se curar mais rapido? Esse ja agradeço sua resposta dra. Beijos , fica com Deus.

    1. Natália Rigatti

      Olá, Monique! A psicoterapia é um processo que apresenta resultados a médio e longo prazo, ou seja, o primeiro mês costuma ser ainda um período de avaliação da situação, para aos poucos iniciar o tratamento propriamente dito. Esta melhora inicial rápida pode ter ocorrido pelo fato de você se sentir segura por receber suporte profissional. Porém, para que obtenha resultados realmente consistentes e duradouros, é preciso bastante dedicação e assiduidade aos atendimentos. Em relação à sua outra pergunta, começar a terapia no início dos primeiros sintomas é um fator que contribui (bastante!) para que a situação melhore com mais brevidade. Quando alguém demora para buscar auxílio profissional, tende a desenvolver muitas estratégias de evitação, o que contribui para a intensificação dos medos e dificulta um pouco mais o tratamento, que mesmo assim, pode apresentar excelentes resultados. Por fim, uma questão importante: não falamos em “curar” a ansiedade, mas sim, em aprender a lidar com os sintomas de forma saudável, podendo seguir a vida sem prejuízos no funcionamento diário. Portanto, é natural que você ainda sinta dor de estômago e outros sintomas. Aos poucos, na terapia, você aprenderá a lidar com isso. Muito obrigada por expor sua dúvida aqui no site e não hesite em perguntar novamente! Beijos!

  13. Jean Christhian

    Comigo aconteceu algo curioso, desde criança sou ansioso, e só foi piorando ao longo dos anos, especialmente há 5 anos atrás, que eu fiquei doente, ai eu perdi o controle, o que era só coração acelerado, “evoluiu” para falta de ar, calafrios, visão embaçada. E foi assim por 4 anos, porém ano passado, a minha ansiedade sumiu do dia pra noite, mas os problemas não, na real me sinto ainda mais estressado e triste, to cheios de pensamentos me destruindo por dentro, mas eu não entendo como ela sumiu, não foi um processo gradual, não fui no psicólogo , ou tomei remédios, o estresse não me deixou, não aconteceu nada de bom que justifica, literalmente eu dormi ansioso e no outro dia sumiu, é como se meu corpo tivesse se cansado de entrar nesse estado, hoje eu mal sinto meu coração bater, os outros sintomas também foram embora. Ainda assim me preocupa um pouco, eu fico pensando qual é pior, se importar demais ou não se importar.

    1. Natália Rigatti

      Bom dia, Jean! Obrigada por compartilhar esta experiência conosco, pois seu relato levanta uma questão muito importante de ser esclarecida. Muitas vezes, a ansiedade em níveis elevados (como me parece que era a sua), quando não tratada, pode evoluir para outros transtornos mentais, como a Depressão, por exemplo. Por isso, a impressão é de que a ansiedade desapareceu, mas na verdade, possivelmente tenha ocorrido uma mudança no seu estado de humor e, por consequência, nos sintomas apresentados. No seu caso, sugiro a busca por um profissional especializado (Psicólogo e/ou Psiquiatra), que poderá avaliar com muito cuidado o que está ocorrendo. Quanto antes fizer um tratamento (caso seja avaliada a necessidade), maior a chance de prevenir que algo mais grave se desenvolva. Qualquer dúvida, estou à disposição! Um grande abraço!

  14. Debora vieira

    Boa tarde dra.
    Mas é possível se livrar da ansiedade fazendo o q vc citou no texto acima? Ou é necessário fazer um acompanhamento psicológico?
    É verdade que a ansiedade e o medo se instalam mas depois vao embora?
    Eu estou com ansiedade , desenvolvi após um relacionamento abusivo, mas não tenho condições de fazer terapia. Adorei o que vc escreveu e vou usar essas dicas no meu dia a dia. Brigada!

    1. Natália Rigatti

      Olá, Debora! Ótima a sua pergunta! O texto tem como objetivo a psicoeducação, ou seja, informar sobre maneiras mais saudáveis de lidar com a ansiedade, o que não substitui o atendimento especializado. No acompanhamento psicológico, conseguimos avaliar as particularidades de cada caso para buscar o melhor tratamento para cada pessoa. Portanto, o texto pode ajudar bastante e pode servir como um complemento para um tratamento, mas não o substitui. Quanto à ansiedade e o medo se instalarem e depois irem embora, eu precisaria entender um pouco melhor o que você quis perguntar. O que posso afirmar é que quando você aprende a enfrentar seus medos, a ansiedade tende a baixar, tornando-se cada vez mais tolerável e fazendo com que você consiga realizar suas atividades diárias com menos sofrimento. Porém, a ansiedade e o medo não desaparecem por completo, visto que cumprem um importante papel na nossa proteção. A grande questão é aprender a lidar com eles! Espero ter esclarecido suas dúvidas… Um grande abraço!

  15. Paulo

    Dra . Este texto me ajudou…, porém lido com ansiedade que tiveram vários gatilhos , afinal tenho 65 anos e já passei por stresses de todo tipo…., tive a temida TAG e até alguns episodios de pânico, e varias idas ao pronto socorro achando que eu ia morrer.Fiz tratamento com remedio e psicologico e aprendi a lidar com a “onça”, é verdade que ás vezes ela me arranha mas não me pega kkkk,… agora meu gatilho parece ser um Zumbido severo nos ouvidos ( coisa antiga e de vez em quanto ele fica “rebelde” e alto a ponto de não ter como distrair do “maledeto”), então vivo procurando tratamento e criando expectativas de melhora que não se concretizam e em alguns casos pioram o quadro, e aí fico com raiva de ter procurado e fico “p “da vida comigo mesmo e a ansiedade vem , em especial á noite , quando o sono não vem logo (também com uma corneta desta no ouvido quem é que dorme facil ?) Gostaria de saber se a psicologia pode REALMENTE me ajudar , uma vez que se trata de sintoma fisico que alimenta a ansiedade e uma ansiedade que alimenta o sintoma. Se vc conhece tb alguma terapia alternativa que possa funcionar no meu caso fico grato se comentar aqui. Desde já agradeço por se importar. Deus te conceda aquilo que almejas….Abs

    1. Natália Rigatti

      Bom dia, Paulo! Fico muito grata por dividir conosco o que está acontecendo! Claro, a Psicologia pode ajudá-lo sim. A Psicoterapia Cognitivo-Comportamental é uma linha muito indicada para tratamento de Transtornos de Ansiedade. Você chegou a realizar um tratamento completo, até o final, fazendo inclusive a prevenção da recaída? Completar o ciclo do tratamento, tanto psicológico quanto medicamentoso, é de extrema importância para prevenir o retorno dos sintomas. Em relação a este zumbido nos ouvidos, é necessária uma avaliação detalhada e cuidadosa para se chegar a alguma hipótese sobre o tratamento mais indicado. Sugiro que você procure novamente um médico psiquiatra ou um psicólogo para fazer esta avaliação. Além disso, é de extrema importância que você possa praticar exercícios físicos com regularidade e cuidar da alimentação, além de realizar a Higiene do Sono para que possa ter uma noite mais tranquila. Qualquer dúvida adicional, fique à vontade para perguntar! Um grande abraço!

  16. MAIARA MACEDO

    BOM DIA DR.
    PQ AS VEZES O MEDO CHEGA E PERMANECE SEM MOTIVO NENHUM APARENTE?
    COMIGO ACONTECE Q CHEGA DO NADA, PERMANECE DURANTE HORAS E DO NADA TAMBEM VAI EMBORA.. PQ ISSO ACONTECE?
    ESTOU FAZENDO TERAPIA A DOIS MESES E GRAÇAS A DEUS AOS POUCOS ESTOU CONSEGUINDO CONTROLAR.. QUANDO A SENSAÇÃO DE MEDO VEM, PROCURO FICAR O MAIS TRANQUILA POSSIVEL. DESDE JA AGRADEÇO SUA RESPOSTA.

    1. Natália Rigatti

      Bom dia, Maiara! Eu escrevi este texto justamente para esclarecer estas questões. Porém, estas são apenas algumas explicações, visto que cada caso deve ser avaliado individualmente. Que bom que você está fazendo terapia! Lembre-se de que a melhora acontece de forma gradual e o tratamento exige esforço e dedicação para que ofereça resultados consistentes. Um grande abraço!

  17. Maria nunes

    Bom dia Dra!
    Quais sinais o corpo dá que estamos saindo de um quadro de ansiedade?
    Estou fazendo terapia a dois meses, faço acupuntura e comecei a caminhar.. Desde já agradeço pela sua atenção.

    1. Natália Rigatti

      Boa tarde, Maria! Quando ocorre a melhora de um quadro de ansiedade, os sintomas fisiológicos vão diminuindo a frequência e a intensidade, ou seja, você já não sente seu corpo se manifestando diante de tantas situações. Além disso, quando estes sintomas começam a aparecer, você já consegue manejá-los com mais facilidade, evitando que a ansiedade atinja seu pico. Que bom que estás fazendo terapia e utilizando outros meios para melhorar sua qualidade de vida. Este é o caminho mais saudável para sentir-se bem. Muito obrigada pela sua pergunta. Um grande abraço!

  18. Mara

    Olá Doutora, Sinto ansiedade faz um bom tempo, só a em certas épocas apresento melhoras, estava fazendo psicoterapia a dois meses, mais perdi as vaga por falta, estou na espera para voltar, ultimamente quando estou ansiosa sinto coração acelerado, suor em excesso e as vezes o medo de não dar conta dos meus afazeres, uma certa impotência. Tento me livrar dos sintomas caminhando, desabafando meus sentimentos. Tomo alprazolan a noite me sinto mais calma. Será q preciso procurar outro especialista?

    1. Natália Rigatti

      Bom dia, Mara! Que bom que você fez esta pergunta, existem algumas questões bem importantes de serem esclarecidas! Em primeiro lugar, como você já tinha iniciado a psicoterapia, sugiro que retorne assim que surgir a vaga novamente, porém esteja atenta à frequência às sessões. O sucesso do tratamento psicoterápico depende da sua assiduidade às consultas e também da sua dedicação àquilo que for combinado com sua psicóloga. Lembrando que os resultados podem até começar a aparecer a curto prazo, mas a melhora duradoura advém de um tratamento feito a médio e longo prazo, com frequência regular às sessões. Em segundo lugar, se os sintomas estiverem muito intensos, trazendo prejuízos em sua vida, sugiro uma avaliação com um médico Psiquiatra (se você ainda não fez) para verificar se está correto o uso do Alprazolam e/ou a necessidade do uso de outra medicação. Espero ter ajudado. Obrigada pela sua contribuição aqui no site! Um grande abraço!

  19. Alcione

    Olá Natália
    Tenho sentido todos esses sintomas há anos, mas só há uma semana descobri quae se trata de ansiedade.
    Sinto palpitações, sudorese excessiva, falta de apetite, etc.
    Sinto que tem me atrapalhado muito até na aprendizagem.
    Vou Tentar pôr em prática tudo o que li aqui.
    Obrigada pelas orientações, espero que consiga melhorar minha qualidade de vida com elas.
    Grande abraço.

    1. Natália Rigatti

      Olá, Alcione! Que bom que está disposta a colocar estas orientações em prática! :) De qualquer forma, fique atenta à intensidade e à frequência destes sintomas, além de observar os prejuízos que causam em sua vida. Estas orientações não substituem qualquer forma de tratamento (psicológico e/ou psiquiátrico), portanto, caso os sintomas persistirem, busque ajuda profissional. É de extrema importância que seu quadro seja avaliado por um profissional especializado, para que possa saber qual o tratamento mais indicado e consiga melhoras mais consistentes e duradouras. Fiquei muito feliz com seu comentário, e qualquer dúvida estou à disposição. Um grande abraço!

  20. Patricia vieira

    Bom dia Dra. Parabéns pelo site e pela atenção para conosco! Você não tem ideia do quanto nos ajuda..
    Pois bem , faço terapia a três meses e graças a Deus não uso faço o uso de nenhuma medicação.. Procurei ajuda psicológica bem no início dos sintomas e desde então estou sendo acompanhada toda semana pela psicóloga e tenho feito de tudo um pouco para me livrar do excesso de ansiedade.. Ou seja , faço caminhada , tratamento com acupuntura.. tenho tido uma melhora imensa , porém , ainda sinto um apertozinho na garganta e a respiração rápida.. o que posso estar fazendo para que esses sintomas parem de acontecer?
    Desde ja agradeço muito a sua atenção. Bom dia!!

    1. Natália Rigatti

      Bom dia, Patricia! Nossa, muito obrigada, eu fico muito feliz em saber que estou ajudando aqui pelo site! O fato de você ter buscado a psicoterapia no início dos sintomas foi muito importante, pois tratá-los antes que se tornem crônicos facilita o processo de melhora. Além disso, a sua dedicação às orientações da sua terapeuta também faz toda a diferença. Lembre-se de que três meses é um tempo relativamente curto para um processo psicoterápico, ou seja, você ainda está no começo do tratamento. Então, é natural que ainda surjam sintomas de ansiedade. Uma sugestão que dou é que pratique a respiração que descrevi neste artigo, no item “explicação 2”, pelo menos duas vezes ao dia, todos os dias. Quando você torna esta respiração um hábito, pode obter benefícios importantes para a sua qualidade de vida. Muito obrigada pela sua contribuição aqui no site! Um grande abraço e bom dia!

Deixe um Comentário

Seu email não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados com *